quarta-feira, 31 de maio de 2017

Os Waltons, o capital, o mercado e a fragmentação da família.


Temos ouvido muito de setores políticos conservadores e de algumas lideranças religiosas com discursos histriônicos que existe um complô contra o arranjo da família tradicional. Dizem que os comunistas querem acabar com a família tradicional. Que as feministas querem acabar com a família tradicional. Que o movimento lgbt deseja acabar com a família tradicional. E assim por diante, havendo a eleição de diversos inimigos daquele modelo familiar julgado, por eles, como ideal.

Ocorre que a sociedade não é estática. As relações humanas são dinâmicas e em consequência os diversos institutos sociais vão sofrendo alterações com o passar do devir histórico. No caso da família, existe um multiplicidade de fatores que interferiram na sua configuração.

O que estes setores mais conservadores esquecem de salientar é que a própria evolução capitalista e do respectivo mercado constituíram forças determinantes para alterar os arranjos familiares.

Muitos jovens que falam atualmente em "família tradicional" se remetem apenas ao núcleo formado por pai, mãe e filhos. Tendo em vista algum tempo atrás, esta noção era mais abrangente e compreendia também os avós, tios e primos. Principalmente, nas primeiras décadas do século passado quando ainda não havia se super intensificado o processo de urbanização. Era comum nas zonas rurais e mesmo em cidades grandes famílias vivendo juntas em casarões e todos trabalhando conjuntamente as terras e negócios da família.

No final da década de 60 e no correr da década de 70 ainda podíamos ver esse antigo arranjo familiar em alguns filmes e programas de televisão. Um dos exemplos clássicos da TV foi o seriado "The Waltons" ou "A Família Walton", que passava nas tardes de sábado. Provavelmente, quem tem menos de 40 anos nunca ouviu falar desta série. Mostrava a rotina de um destes grande núcleos familiares em que todos viviam juntos num casarão e trabalhavam na terra e na serraria da família. Trata-se da foto que postamos no início deste texto. Embora, nesta época da exibição da série era intensa a modificação da configuração familiar. O fenômeno da urbanização entrava em grande aceleração. E era interessante ao mercado e ao capital industrial que os núcleos familiares se dividissem para aquecer a construção civil, a indústria automotiva e de eletrodomésticos.

Quando passava este seriado, eu ainda era criança pequena e ficava maravilhado com aquela família em que todo mundo morava junto, com a casa sempre cheia. E moravam numa casa, com animais e plantas. Eu, por outro lado, fui filho da moderna configuração familiar, somente com os pais e filho morando num apartamento. Para ver os avós só quando estes ou nós viajávamos para o encontro, pois estávamos em cidades diferentes. E a casa cheia de gente somente em datas especiais, quase que somente na ceia de natal.

Esta fragmentação era vista com bons olhos pelo mercado. E passou a ser comum em programas e propagandas se incutir que o ideal de vida de um homem era ter sua esposa e filhos, sua  casa própria e seu automóvel. O automóvel era importante como símbolo de respeito e liberdade. Hoje, se o casal ainda vive junto, cada membro da família (pai, mãe e filhos) tem seu carro. Cada pequeno núcleo familiar ter sua casa era um grande negócio para fomentar a construção civil. Nem que morassem em pequenas casas ou apartamentos. E cada um ter sua casa também significava multiplicar o número de vendas de geladeiras, televisores, rádios, máquinas de lavar, etc.

A família Walton consumia bem menos. Eles tinham um carro de passeio que atendia a todos da casa para quando iam ao centro comercial. Tinham também uma caminhonete para atender às necessidades da fazenda e da serraria. Tinham uma geladeira, um rádio, um fogão,..., que atendia às necessidades de todos.

E pensar que antigamente quando tínhamos uma linha telefônica fixa era mais que necessário para atender a todos na casa. Agora, cada qual tem que ter seu próprio telefone celular para não se sentir imensamente infeliz. As operadoras de telefonia agradecem.

A grande reunião familiar, como em the Waltons, também servia às questões de solidariedade geracional. Os familiares adultos e jovens trabalhavam e ajudavam a sustentar as crianças. Quando as crianças cresciam trabalhavam na propriedade e ajudavam a sustentar e a cuidar dos idosos que já não tinham condições de contribuir. Isto gerava  uma vida mais tranquila para todos os membros da família. Hoje, com todos vivendo separadamente, percebe-se a necessidade doentia de se ganhar cada vez mais dinheiro para tentar assegurar uma reserva para uma a velhice que não saberemos em que condições se dará. Só sabemos que a tendência atual é dos velhos ficarem sozinhos. Mas este medo é bom para motivar as pessoas a trabalharem cada vez mais.

Contudo, como disse, o seriado dos Waltons foi apresentado neste tempo de aceleração das mudanças. E durante a década em que foi exibido a família fictícia passou pela mesma transformação da sociedade. Eles eram inicialmente uma família do interior do estado da Virgínia. O grande argumento da vida de cooperação conjunta é que se passava durante o tempo da grande depressão nos EUA. Depois, veio a guerra e os filhos maiores de alistaram. O filho mais velho, que era o protagonista entrou para a universidade, se formou jornalista e foi para Nova Iorque. Depois, os demais filhos e filhas foram se casando e constituindo seus núcleos. Deixando no público o olhar saudosista de um passado mas a certeza e a resignação de que o imperativo dos novos tempos não podiam ser freados.

Na minha família há um caso singular sobre a força do mercado sobre as mentalidades. Uma das minhas tias tem duas filhas. Ambas casaram e foram morar com os maridos em apartamentos. Uma delas teve um casal de filhos e depois se separou.  A outra filha não teve filhos e nem terá mais pela idade e nem deseja adotar. Minha tia hoje com mais de 80 anos mora sozinha Os três (tia e duas filhas) moram separadas mas no mesmo bairro. Todos tinham  plenas condições de estar morando juntos na antiga casa que era  de minha tia. Porém, nenhum deles quer perder sua "liberdade ou independência".

Porém, em alguns países da Europa há um movimento contrário. Li notícia que grupos de idosos da mesma família ou de amigos têm se reunido para morar todos juntos e restabelecer vínculos mais próximos de convivência e solidariedade.

Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook:
https://www.facebook.com/groups/prophisto/ 





terça-feira, 30 de maio de 2017

Os "caçadores de relíquias" mostram que a reforma agrária interessa ao capitalismo.


Escutamos muitas pessoas dizendo que a reforma agrária é uma proposta dos comunistas. Provavelmente, esse discurso é fruto da falta de conhecimento daqueles que se impressionam com as bandeiras vermelhas do movimento dos trabalhadores sem terra. 

A reforma agrária, nos termos que se prega, de realizar a desapropriação das grandes propriedades, ao menos das terras improdutivas, mediante compensação indenizatória, e sua redistribuição mudando a lógica no campo, da prevalência do latifúndio para a pequena e média propriedade rural faz parte da agenda de um capitalismo que busca o desenvolvimento competitivo e a criação de um mercado interno forte.

No modelo econômico comunista e socialista não existem grandes, médios ou pequenos proprietários. Tudo pertence ao Estado. Salvo exceções, onde alguns regimes socialistas aceitaram conviver com um número limitado de pequenos proprietários rurais.

Na verdade, a reforma agrária foi indicada como fórmula sine qua non para o desenvolvimento de toda a América latina pelo CEPAL, que é uma Comissão da Organização das Nações Unidas para estudos econômicos para a região latinoamericana, sediada no Chile. O renomado economista brasileiro Celso Furtado foi um dos notáveis nomes que participaram destes estudos. Contudo, quando o presidente João Goulart acenou para a possível realização da reforma agrária, foi deposto sob o argumento de que havia um projeto de implantação do regime comunista no Brasil. Até hoje ouvimos dizer que os militares aplicaram o golpe para proteger o país do comunismo. Quando, na verdade, a reforma agrária era uma proposta de aceleração do desenvolvimento econômico para que o país se tornasse competitivo no âmbito internacional e deixasse de praticar um capitalismo meramente periférico.

O nosso modelo rural até os dias atuais é baseado no latifúndio, que são imensas propriedades rurais dominadas por um número reduzido de famílias. Este modelo é originário da política de terras realizada ainda no período colonial. Naquela época, autoridades lusitanas e donatários realizaram a distribuição de grandes glebas de terra para pessoas ligadas à administração portuguesa. Essas grandes propriedades receberam o nome de sesmarias. O sesmeiro era aquele que recebia a sesmaria e se tornava, desta forma, o proprietário daquela terra. As sesmarias seriam instrumentos fundamentais na exploração da cana de açúcar, através do regime de cultivo chamado plantation. Como mão-de-obra usaram, primeiro, o trabalho escravo dos povos indígenas e, depois, dos africanos. Reparem que os sesmeiros não precisaram despender de recursos para se instalarem como grandes proprietários. Primeiro, que receberam as terras em forma de doação e, segundo, que não precisaram despender fundos para contratação de empregados. Desta forma, ocorreu no campo brasileiro, durante o período colonial, uma espécie de "acumulação primitiva de capital" das famílias proprietárias de terras, que ajudou de forma decisiva a manter o sistema dos latifúndios até os dias atuais pelo poder que estes proprietários adquiriram.

A maioria dos países capitalistas que deram um grande salto de desenvolvimento, em certo momento tiveram que realizar um projeto de reforma de agrária. Não vamos entrar em dados técnicos do "economês", mas podemos realizar algumas reflexões básicas sobre o assunto.

Um dos modelos econômicos que mais chama a atenção e mexe com os sonhos dos brasileiros é o americano. Isto porque se trata da maior economia capitalista do mundo. É verdade que nos Estados Unidos não houve uma reforma agrária. Mas isto pelo fato do modelo rural americano ser baseado na pequena e média propriedade desde sua origem colonial. Por lá, a agricultura não está baseada no latifúndio. O pequeno e médio produtor é a base da economia rural. E quando há a necessidade de um investimento maior em equipamentos industriais para beneficiar algum tipo de produto, como grãos ou suco de frutas, isto se faz através de cooperativas. Ou seja, como o pequeno e médio produtor não possui riqueza suficiente para montar tais equipamentos industriais, ocorre uma cotização entre todos os produtores da região para a realização do empreendimento. Outra alternativa que ocorre é um empresário montar o equipamento industrial na região e comprar a produção dos agricultores e realizar o beneficiamento na sua indústria.

Quem nunca esteve pessoalmente visitando o interior dos EUA pode identificar esta realidade através dos filmes.  Quando o interior é retratado costumamos ver a administração municipal realizando reuniões no ginásio de um colégio público com os produtores rurais da região para definir políticas para o município. Isto pode ser visto no filme "Terra Prometida", estrelado por Matt Damon no papel principal. O protagonista desta película era funcionário executivo de uma grande companhia de gás natural que ia até cidades do interior seduzir os pequenos e médios proprietários rurais a assinarem um  contrato de concessão permitindo que a empresa explorasse o gás em suas terras, sob a promessa de lucros futuros fabulosos.

Um programa onde também podemos observar o modelo de pequena e média propriedade rural americano é "Os Caçadores de Relíquias", produzido pelo History Channel. Trata-se do dia-a-dia de dois amigos e sócios em uma loja de compra e venda de antiguidades. Eles viajam numa van pelas pequenas cidades atrás de pessoas que tenham em suas casas alguns dos itens que compram para revender. Eles vão rodando pelas estradas e encontrando várias propriedades com galpões ou celeiros onde coisas antigas são guardadas pelos seus donos e fazem ofertas pelos objetos que depois são revendidos na loja. Se fosse no Brasil, os simpáticos "caçadores de relíquias" estariam em maus lençóis, pois rodariam muito e só veriam cercas e mais cercas com plantações e pastos mas nenhuma propriedade à vista por muitos quilômetros. Pois esta é a realidade do latifúndio, muita terra nas mãos de poucas pessoas.

Neste momento, o leitor poderia perguntar: - afinal, qual a diferença prática entre os dois modelos ? Ela reside na maior distribuição de renda quando a lógica empregada no campo reside na pequena e média propriedade.

O brasileiro, em regra, não consegue ver o benefício do pequeno produtor rural para a economia por conta da imagem mental do "roceiro" ou "caipira". Na verdade, como efeito do latifúndio, o pequeno produtor rural brasileiro foi transformado nessas figuras folclóricas. Como o latifundiário domina as maiores e melhores extensões de terras dos municípios, sobra aos pequenos produtores apenas pequenas glebas de terrenos nos piores locais e com o pior tipo de solo. No Brasil, são as faixas de terras impróprias para a plantação que restam para as famílias camponesas. Por isso, o "roceiro" acaba constituindo o perfil daquelas famílias que plantam quase que somente para a subsistência e praticamente não contam para o mercado consumidor interno. É diferente nos países onde a lógica do campo é baseada na pequena e média propriedade, onde os pequenos agricultores constituem uma espécie de baixa classe média rural.

Assim, nossas cidade do interior são compostas por uma ou duas famílias poderosas que detêm a maior parte das boas terras cultiváveis, uma diminuta classe média composta pela burocracia pública local e empregados mais bem remunerados dessas fazendas (veterinários e agrônomos) e um imenso contingente empobrecido de pequenos agricultores e trabalhadores sem terra. No início do século passado as famílias dos grandes fazendeiros viviam na sede das fazendas, em meados do século XX eles já viviam nas grandes capitais e, atualmente, essas famílias dividem a residência entre o Brasil e o exterior. Reflexo da progressiva concentração de riqueza.

Admitindo que toda a família do latifundiário ainda viva no município sede das fazendas, temos uma família que mora num grande casarão de fazenda e que pode adquirir vários bens de alto valor: carros, motos, tratores, televisão, geladeira, etc. Ainda que possam comprar os produtos mais caros do mercado, não se compara se, por outro lado, a terra estivesse repartida por centenas de famílias pequenas proprietárias, mas com bom rendimento, e que cada um desses núcleos familiares construísse sua casa e comprasse seus bens (carros, geladeiras, televisões, máquinas...). Esta segunda alternativa aqueceria muito mais a indústria.

E agora, aquele indivíduo classe média que vive na cidade questiona: - o que eu tenho com isso ?

A classe média urbana, sem perceber, também é sufocada pela falta de um poderoso mercado consumidor interno na imensidão da nossa zona rural.  Sempre que seus filhos fazem um curso universitário que propicia se tornar um profissional liberal (advogados, médicos, dentistas, engenheiros, etc) ficam sem a opção de trabalhar no interior, pela falta de pessoas com recursos suficientes para manter estas atividades profissionais. Desta forma, a única opção é tentar a sorte no mercado super saturado das grandes cidades ou cair nos concursos públicos. Este fato também contribui para nossa cultura do concurso público. Isto é o que acontece com os médicos que não querem ir trabalhar no interior. E a cada semestre as universidades inundam os mercados das grandes capitais com mais centenas de profissionais recém formados. Resultado, são advogados e outros profissionais liberais dirigindo táxi.

Concluindo, mesmo assim a reforma agrária está longe de sair. Os poderosos fazendeiros não querem perder os privilégios e controlam uma grande bancada no congresso. A reforma que vai sair é a trabalhista e a previdenciária. Ou seja, se já não temos mercado forte no interior, vamos detonar o pouco que temos na área urbana.

Vai ser um espetáculo !

Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook:
https://www.facebook.com/groups/prophisto/ 

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Colonização cultural: quando a escola valoriza mais o "halloween" que o índio e o folclore nacional.



Há muitas formas do imperialismo exercer seu domínio sobre outros povos. O braço mais visível deste processo de colonização ocorre através da política e da economia, mas existem outras formas de dominação. Uma delas muito eficiente e que as pessoas pouco percebem se dá pela desconstrução da identidade cultural.

A indústria da comunicação e do entretenimento, como o cinema e outras manifestações, acabam servindo a este propósito. Pensemos, por exemplo, por qual razão nossas rádios e distribuidoras de músicas nos inundam com grupos e cantores anglo-americanos e pouco recebemos de Portugal, França, Itália, do Oriente e, principalmente, de nossos vizinhos latino-americanos.

As escolas e os centros de cultura deveriam funcionar como local de resistência e de manutenção e promoção de nossa memória cultural. Porém, nem sempre isto ocorre.

Transcrevo, abaixo, texto sobre este tema do colega Guilherme Aguiar:


"Neste 19 de Abril, Dia do Índio, notei que na maioria das escolas não houve atividade com os alunos em comemoração à data..

Então fiquei preocupado..

Os índios estão sendo esquecidos pela população e parece que ninguém mais se importa..
Os índios perderam (e estão perdendo a cada dia) suas terras para a expansão dos latifúndios agrícolas e por causa do desmatamento, problemas gravíssimos que a população praticamente ignora e ou fecha seus olhos para isso...
Os índios perderam sua dignidade e estão perdendo seu modo de vida e agora já não tem nem mais o seu dia…

Mas porque não se importam? A resposta é simples.. Porque não sabem de sua importância…
A escola que deveria trabalhar a consciência das crianças em relação a isso também está esquecendo dos índios…

Estou percebendo que há anos o dia do índio não é comemorado mas vejo a escola preocupada com datas estrangeiras como o Haloween… 

Em tese não há problema quanto a isso mas quando vejo o dia do índio sendo esquecido começo a achar que sim, que a comemoração de datas estrangeiras está mesmo substituindo as comemorações da nossa cultura..

E falando sobre cultura as pessoas não percebem que nossa cultura é rica como é por causa da influência indígena e seria ainda mais se déssemos a ela todo o valor que tem.

ALGUNS EXEMPLOS
A maioria das pessoas nem sabe que a palavra PIPOCA vem do TUPI GUARANI… Que além dessas diversas palavras que usamos em nosso cotidiano, nomes de cidades de de elementos na nossa fauna e flora possuem nomes indígenas..

É até complicado afirmar isso, mas muitos não sabem que diversos mitos folclóricos (que também estão sendo esquecidos) vieram da cultura indígena…
Isso, meus caros amigos e amigas, é lamentável…

IDENTIDADE CULTURAL
Deixo esta reflexão aqui para que possamos pensar melhor no porque nossas crianças estão cada vez mais desconectadas com sua identidade… 

Vemos um Brasil perdido, dividido e os cidadãos em conflito uns com os outros, de pessoas perdidas que não conseguem fazer o país se reconhecer como nação e ter a unidade que precisamos para construir nosso futuro.

Tudo isso é reflexo da ausência de algo que nos una como povo, como nação e a cultura dos nossos ancestrais é essencial para isso. 

Fazer esse retorno à nossas origens é essencial para que nós tenhamos a sensação de pertencimento a esta terra e ser Brasileiro tenha significado pra nós e deixemos de idolatrar os países estrangeiros que cada vez mais se apropriam das mentes das pessoas, tomam nosso espaço e o significado da nossa cultura...

Guilherme Aguiar - Arte Educador e Ilustrador"
Página de Guilherme Aguiar no facebook:

Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook:



EAD para o ensino fundamental seria tentativa de acabar com a "subversiva" relação professor e aluno?


O universo dos educadores foi pego de surpresa com a edição de decreto, pelo MEC, na última sexta-feira dia 26/05, que estendia o ensino à distância para alunos do sexto ao nono ano do ensino fundamental. 

Pela contrariedade que criou, o MEC anunciou que deverá voltar atrás e revogar este dispositivo do documento. Contudo, fica patente que esta é uma intenção quanto ao futuro da educação fundamental no país.

Estamos vivendo um momento de inversão de valores. Vamos na contracorrente da história da educação. Desde a antiguidade clássica a relação entre mestres e alunos foi festejada e entendida como um dos pilares da evolução individual e social.

No Brasil atual, há um guerra contra a docência. A "escola sem partido" e seus vereadores tentando implantar o "fiscal de sala de aula". Tentam limitar a liberdade de cátedra dos professores. Discursos de autoridades religiosas jogando os familiares dos alunos contra professores. Tentam estabelecer um leque de temas que seria proibido ao professor trabalhar com os alunos, que seriam estritamente trabalhados pela família.

Creio que estabelecer ensino à distância, para o fundamental II, seria uma cereja deste bolo. Pois é evidente as limitações impostas pelas condições do sistema de ead. O professor fica engessado pela falta de contato e pelo modelo que fica adstrito ao que é proposto pela plataforma digital e apostila.

Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook:

domingo, 28 de maio de 2017

Para Bolsonaro eleições diretas é golpe. Seria medo das urnas?






O deputado federal Jair Bolsonaro, em entrevista para programa do SBT de Santa Catarina, afirmou que a proposta de realização de eleições gerais diretas consiste em golpe. Baseado na regra constitucional que prevê eleições indiretas quando falta pouco tempo para o término do mandato atual. Trata-se do mesmo Bolsonaro que defendeu o impeachment da presidente Dilma mesmo sem fundada materialidade de crime de responsabilidade, quando usaram a "gambiarra" de fazer  o impedimento por conta do "conjunto da obra".

Por outro lado, muitos constitucionalistas alegam que numa república democrática nunca há erro em chamar o povo para decidir. A regra de realizar uma eleição indireta para cumprir um prazo restante pequeno do mandato faz sentido num ambiente de normalidade democrática. Na grande crise política que vivemos seria de bom tom uma emenda para convocar o povo às urnas.

O interessante é que o deputado está entre os mais cotados para ganhar eleição presidencial, figurando na segunda colocação.

Isto nos faz voltar a um entendimento pretérito de que o deputado Bolsonaro jamais pensou seriamente em ser presidente. Para ele, uma participação em corrida presidencial serviria tão somente para manter seu nome em evidência para alavancá-lo em futuras eleições ao legislativo. 

O fato é que o citado deputado parece sequer ter um programa político apresentado à população. Quais seus projetos para economia, educação, saúde, etc. Pegar um livro do MEC e fazer críticas a ele não significa ter um projeto para a educação brasileira. Muito menos menosprezar a figura de Paulo Freire o torna capacitado no tema.

Creio que o máximo que pensou chegar seria sair como vice numa chapa de direita. Como tentou cavar em vídeos se colocando à disposição para ser vice de Aécio.

A polarização fabricada pela grande mídia como combustível para o impeachment de Dilma acarretou que figuras de discursos extremados ganharam muita visibilidade. Caiu no colo de Bolsonaro a chance real de ser presidente e não estaria preparado para isso. Antes disso, uma candidatura de Bolsonaro serviria mais como uma "linha 2" do principal candidato de direita. Ele poderia atacar os candidatos de esquerda de forma mais aguda sem se preocupar com popularidade, pois estaria a serviço de outra candidatura mais forte.

Muita gente ingenuamente compara o deputado com a figura do cardiologista Enéas Carneiro. Contudo, Enéas representava uma extrema direita que tinha projeto. E seu projeto era nacionalista, sendo que em alguns aspectos se aproximava do que também era pautado pelas esquerdas. Por exemplo, estar contra as privatizações empreendidas pelo governo Fernando Henrique. O deputado Bolsonaro parece não defender a mesma agenda nacionalista de Enéas. 

Talvez, o maior medo do deputado nem seja o de perder, mas o de ganhar!

Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook:

O cinema de ficção enxerga a realidade que não vemos. O homem não é mais sujeito de sua história.






Chegou ao final a saga "resident evil" nos cinemas. Foi mais uma série de filmes tratando do apocalipse humano através da contaminação por um vírus que torna as pessoas zumbis. A cada filme desta série víamos o caos se espalhando mais agudamente por todo globo terrestre. Também foi a franquia cinematográfica mais longa em que o protagonista foi uma personagem feminina, estrelada por Milla Jovovich.

No último filme da série, ficamos sabendo que o "caos" não era fruto de um mero acidente ou acaso. Existia uma ordem no caos. Tudo foi planejado pela diretoria da maior empresa global no ramo de armas biológicas, a fictícia "umbrella corporation". Ao concluírem que o mundo teria poucas décadas de sobrevida digna, por conta do crescimento populacional desordenado e o aquecimento global, decidiram realizar um "apocalipse" controlado para dizimar grandes contingentes humanos e a terra ser herdada por um seleto grupo de "escolhidos".

A obra  teve o condão de dialogar com as atuais expectativas de "empoderamento" da mulher na sociedade. Milla Jovovich serviu de ícone deste novo contexto, onde as mulheres não serão meras ajudantes ou amantes do grande herói. Mas esta série enxergou algo além. Que somos governados pelas grandes corporações mundiais. O poder executivo dos países se tornou mero garoto de recados dos grandes interesses financeiros.

Mesmo presidentes "poderosos" como o americano Trump, quando viaja a um país para vender armas, está servindo aos interesses corporativos. As agruras da guerra são meros detalhes frente aos lucros que obterão dela. Não é casuísmo que o atual presidente da maior nação capitalista seja um empresário.

Espalhar o caos se tornou plausível se ele trouxer maiores lucros e concentração de renda. Como ocorre com as supostas notícias de empresas do ramo da informática que contratam especialistas para criar e espalhar vírus pela rede e depois ganham fortunas vendendo o antivírus.  Já não sabemos se o mesmo acontece com as notícias de epidemias, quando empresas farmacêuticas ganham fortunas vendendo vacinas. Lembremos do caso das gripes suínas e aviárias. E a grande imprensa mundial trata de construir narrativas para desviar nossa atenção desta realidade. São como flautistas mágicos nos guiando pela estrada encantada dos bobos.

O Brasil atual é um ótimo exemplo.  Quem nos governa realmente? O sujeito que simbolicamente senta na cadeira de presidente da república? Ou somos governados pelas grandes corporações e seus interesses? As grandes empresas de mídia, os bancos, as super construtoras e, até, os gigantes frigoríficos !  

Não interessa se medidas como uma draconiana reforma trabalhista e previdenciária irão espalhar o sofrimento e o caos social, se delas surgirem belos lucros para o sistema financeiro. E a grande mídia trata de nos convencer sobre a oportunidade de seguir o caminho do precipício.

Li excelente texto do professor Afrânio da Silva Jardim, titular da cadeira de direito processual penal na UERJ, que aborda este contexto. Deixarei o texto do citado mestre a seguir:


"O SER HUMANO JÁ NÃO É MAIS O SUJEITO DE SUA PRÓPRIA HISTÓRIA.

No mundo atual, somos “governados” pela grandes corporações. Tudo gira em torno de interesses econômicos e o “mercado” é o grande artífice de nosso modo de vida.

É importante notar que o próprio “mercado” é controlado e direcionado, mundialmente, pelo grande capital, pelas empresas sem pátria e sem ética. Projetos sofisticados e elaborados pelos executivos das grandes multinacionais acabam determinando, via produção e propaganda massiva, o que vamos consumir, o que vamos ouvir, o que vamos ver, do que vamos gostar, etc., etc., etc. Um exemplo disso foi a imposição das grandes montadoras de automóveis: elas decidiram que nós só teríamos carros prata, preto e branco. Acabamos gostando disso ... Puro autoritarismo.
Por outro lado, os novos automóveis, salvo as sempre presentes exceções, estão sendo fabricados sem aparelhos de som próprios para cds ou dvds. Que fazer com as nossas coleções? O que fazer com as nossas bibliotecas, quando elas forem substituídas por “pen drives” ou por leitores de textos, tipo “Kindles”. A eles, não interessa o apego por nossas coisas.

Ao “capital”, só interessa a sua acumulação ... O lucro não tem limites ... Os valores humanos não são limites à cobiça desmedida ...

A sociedade moderna e tecnológica está “roubando” o nosso tempo. Talvez porque o tempo seja subversivo ... O tempo nos permite pensar, nos permite vivenciar emoções, nos permite refletir e desenvolver uma consciência crítica da perversa realidade a que estamos sendo submetidos. Hoje tudo é feito para ser rapidamente consumido. Tudo é efêmero e descartável. Isto nos abrange até o ponto dos afetos.

Estamos substituindo e verdadeiro sentimento de felicidade pela excitação. A ansiedade é um dos muitos grandes males da sociedade tecnológica. A intolerância é uma “epidemia” nos dias de hoje, resultante da falta de cultura e resultante de uma sociedade autoritária e preconceituosa.
A ciência não é conhecida pela população, que apenas deseja usufruir da tecnologia imposta pelo mercado. Falam em “banda larga”, mas ninguém sabe o que seja ... Fala-se em tecnologia digital (diferente da analógica), mas ninguém sabe o que seja uma coisa ou outra ... Pior, não sabem e não têm curiosidade de saber ... 

Os jovens atuais “abraçam” tudo o que o mercado deseja que eles venham a consumir, tudo de forma totalmente acrítica. A grande mídia nunca influenciou tanto a formação de novas gerações. A grande mídia é o reflexo perverso dos interesses econômicos que a sustentam. 

Não somos mais sujeitos de nossa própria história e estou profundamente pessimista com o futuro desta sociedade globalizada e dominada pela ganância, pela hipocrisia, pela falta de humanismo e pelo individualismo. O ser humano está “morrendo com o próprio veneno”. 

Parodiando o grande e saudoso historiador inglês Arnold Toynbee, termino demonstrando ainda alguma esperança na sobrevivência de nossa espécie, dizendo: espero que ainda haja a possibilidade de uma quarta guerra mundial, mesmo que ela seja de arco e flecha.

Como será a sociedade do futuro? Haverá futuro para o ser humano? Será ele verdadeiramente humano? Haverá ser humano e sociedade no futuro?

Afranio Silva Jardim, professor associado de Direito da Uerj."

Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook: 
https://www.facebook.com/groups/prophisto/

sábado, 27 de maio de 2017

Liberdade de ensino X liberdade de pesquisa: e o caso da orientadora processada pela mestranda.


Tanto a liberdade de ensinar quanto a de pesquisar são corolários da chamada "liberdade de cátedra". A liberdade de cátedra compreende tanto a liberdade do professor em conduzir os conteúdos da disciplina segundo uma visão plural das linhas interpretativas (desde que reconhecidas cientificamente) para beneficiar a construção do pensamento crítico e, também, a autonomia científica no campo da pesquisa. E, ainda, a liberdade de divulgação dos resultados obtidos.

A liberdade de cátedra, atualmente denominada liberdade de ensinar e aprender, vem sendo duramente atacada nestes últimos tempos, quando há um avanço de ideologias ultra conservadoras. Fruto disto é a discussão e proposição da lei da "escola sem partido". Que visa controlar os conteúdos ministrados em sala de aula através de um filtro conservador, matando a pluralidade de ideias. A simples proposição de tal dispositivo já fere a liberdade de ensinar. Em decorrência, tivemos o fenômeno de vereadores querendo se transformar em uma espécie de "fiscal de sala de aula". O que eles desejam é justamente implementar aquilo que no discurso dizem combater. Ou seja, manipular os conteúdos escolares e acadêmicos para que expressem os valores de um único partido ou parte da sociedade.

Na marcha desta tentativa de ocupação conservadora dos espaços educacionais  tem ganhado notoriedade o caso da mestranda, ligada a grupos conservadores, que processou a orientadora por conta de questões que surgiram no curso da pesquisa.  Não conhecemos os termos da ação judicial, mas o que tem sido noticiado pela internet é que a orientadora seria uma reconhecida historiadora que trabalha com a abordagem de gênero e a mestranda desejava combater, justamente, a linha de pesquisa da orientadora e, talvez, do núcleo de pesquisas acadêmicas. Como, logicamente, a orientadora não concordou com a linha pretendida pela estudante e a respectiva impossibilidade de sua execução, sobreveio o ajuizamento de processo judicial provavelmente fundado em suposta perseguição ideológica.

A Anpuh - Associação Nacional de História - publicou um manifesto em desagravo à professora. Colocaremos o link para o manifesto da Anpuh ao final desta página.

Neste caso, parece que a falha ocorreu logo de início ao aprovarem o projeto de pesquisa. Se há uma total impropriedade do objeto de pesquisa, não se pode exigir que um professor tenha seu nome vinculado à orientação do projeto. Exceto se o projeto era lacônico quanto às linhas interpretativas ideológicas e de metodologias de pesquisa que desejava seguir. Se foi o caso, da mesma forma deveria não ter sido aprovado. Ou, ainda, se o projeto era fundado em determinadas premissas que, depois, a mestranda desejou modificar, é necessário haver mecanismos para que o orientador possa se desvincular da obrigação de prestar a orientação. O que não pode é o professor ser obrigado a participar da consecução de pesquisa que vá contra o seu trabalho de pesquisas e, até, contra princípios fundadores do centro de pesquisa ou mesmo daquele ramo de saber.

Não seria crível, por exemplo, que numa pós graduação de geografia um orientador fosse obrigado a prestar orientação a um aluno que deseja defender a terra plana ou no curso de biologia um projeto que defenda o criacionismo.

De qualquer forma, toda essa questão pode ser interessante para levantar a discussão sobre os limites entre a liberdade de ensinar do orientador em relação à liberdade de pesquisa do mestrando. O orientador não pode se assenhorar da pesquisa dos estudantes da pós graduação. Muitas vezes ocorre em centros de pesquisa que os mestrandos ou doutorandos acabam necessariamente conduzindo seus projetos como meras linhas secundárias do projeto "maior" do orientador ou do núcleo acadêmico.  O que é muito desestimulante. Isto leva a uma cultura de que o fim da pesquisa é meramente a obtenção do grau de mestre ou doutor e não de realizar a pesquisa propriamente dita. No final, vemos uma enorme quantidade de pesquisadores sem paixão pelo que estão desenvolvendo e um monte de pesquisas concluídas que ficam empoeiradas nos arquivos das universidades.

Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook:
https://www.facebook.com/groups/prophisto/

Manifesto da Anpuh:
https://www.facebook.com/ANPUH/posts/1517059918325536:0 

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Historiador Karnal critica manifestações "desordeiras" contra Temer.





O historiador Leandro Karnal, professor da Unicamp, usou as redes sociais para criticar o que chamou de manifestação agressiva e depredatória que ocorreu em Brasília.  O citado mestre ainda entendeu que a pauta do movimento estava esvaziada e que acabou fortalecendo o governo Temer como boa opção para manter a paz e a ordem.

Acredito que o mestre saiba que a pauta dos manifestantes não é unicamente contra Temer. Trata-se de luta contra um golpe econômico na população. A agenda governista de impor terceirizações, flexibilização da CLT e reforma da previdência são medidas que aumentam, como nunca, a concentração de renda no país e levarão à verdadeira "desordem", que é o caos social. Isto tudo dentro de um contexto histórico de golpe político.

Talvez a vida circunspecta aos muros da faculdade e o glamour das palestras e da exposição na mídia tenham gerado uma percepção  "ingênua" da realidade no famoso professor. Muitas vezes a desordem pode ser provocada justamente por quem deseja a desmobilização dos movimentos, através do uso de agentes infiltrados para iniciarem a violência e justificar o uso da força policial e mesmo da mobilização das forças armadas para sufocar as crescentes manifestações contra o atual governo.

Contudo, nunca se sabe ao certo o 'lado" político de Karnal. O citado mestre nunca deixa claro qual o seu lugar de fala. 

No entanto, Karnal criticou mas também foi criticado. O Centro Acadêmico dos estudantes de História da Unicamp (CACH) emitiram a seguinte nota transcrita abaixo:


RESPOSTA AO PROFESSOR LEANDRO KARNAL
OU “CONVERSAS COM UM VELHO PROFESSOR”
No final da tarde de ontem, o Professor Leandro Karnal, do departamento de História do IFCH, publicou o seguinte comentário em sua página no facebook: “Por vezes a história atravessa o caminho do historiador. Cruzei a Esplanada dos Ministérios em meio a chamas e caos. Uma pena que manifestaçōes degenerem em agressōes e depredação. Esvazia-se a pauta dos manifestantes que, hoje, conseguiram reforçar o gov Temer como alternativa à desordem. Será que era o objetivo deles? Saindo de Brasília ainda temendo as calendas de março…”

O Centro Acadêmico de Ciências Humanas lamenta profundamente que um professor de História da universidade dita como uma das mais “conceituadas” desse país possa ter uma compreensão tão rasa do desenrolar da crise política que vivemos. Ouvimos sobre o comentário do professor ainda com os olhos ardendo por causa do gás lacrimogêneo da repressão policial, ao final da manifestação. 

Não basta uma mera oposição entre paz e violência para compreender o porquê da manifestação de ontem em Brasília ter se transformado em um verdadeiro cenário de guerra. É preciso entender o processo de impeachment da presidente Dilma como um golpe com o objetivo de acelerar a implementação das reformas para recompor os lucros do capital imperialista em crise. É preciso entender que diferentes campos burgueses hoje disputam a saída da classe dominante para a crise (e a melhor forma de implementar as reformas). É preciso entender como a greve geral do dia 28 de abril de 2017 colocou a classe trabalhadora organizada em campo para esta disputa, e como isso ameaça toda a saída pactuada e a aplicação do ajuste. 

A disputa em curso em nosso país hoje não é pura e simplesmente pela “manutenção da ordem”. A disputa em curso é pela aplicação de um ajuste em favor dos ricos e poderosos. Neste processo estão em jogo nossos direitos trabalhistas, a previdência, o investimento público em saúde e educação e, mais do que isso, ficou provado ontem que nossas liberdades democráticas básicas também estão em jogo. Temer convocou as forças armadas para reprimir uma manifestação em Brasília, coisa que não ocorria desde a ditadura militar. Fomos atingidos por bombas de gás arremessadas de helicópteros, a polícia utilizou armas de fogo. A paz não foi uma opção que nos foi dada, seja pelos ataques aos nossos direitos, seja pela repressão brutal que sofremos. Chegar até o Congresso Nacional era nosso direito.

Nos comentários a essa publicação do professor, foi feita a pergunta: “A paz interessa a quem?”, ao que o professor respondeu “a quem odeia mortes”. O professor também analisou a Tomada da Bastilha como um “banho de sangue imenso” ao qual se seguiu a “ditadura de Napoleão”. Como fica claro, “paz”, para o professor Leandro, é não desafiar a ordem imposta, a violência do Estado, a inconstitucionalidade dos corruptos: é silenciar. Pedir pelo silêncio dos que se manifestam e resumir a manifestação em Brasília de ontem como uma degeneração esvaziada de pauta é um uso lamentável de sua visibilidade enquanto intelectual no Brasil, que o coloca no lugar de um comentarista virtual desqualificado de argumentos articulados ou, ainda, de um intelectual que, cínico, só acessa a realidade através das pequenas janelas das altas e distantes cátedras universitárias. Gostaríamos que o professor refletisse a respeito de dois pequenos trechos de Brecht, o primeiro retirado do poema “Deutsche Kriegsfibel” (“Cartilha de Guerra Alemã”) e o segundo, do poema “De que serve a bondade?”:

“Os de cima dizem: guerra e paz
São de substância diferente
Mas a sua guerra e a sua paz
São como tempestade e vento.
A guerra nasce da sua paz
Como a criança da mãe
Ela tem
Os mesmo traços terríveis.
A sua guerra mata
O que a sua paz
Deixou de resto.
No muro estava escrito com giz:
Eles querem a guerra.
Quem escreveu
Já caiu.
Os de cima
Juntaram-se em uma reunião.
Homem da rua
Deixa de esperança.
Os governos
Assinam pactos de não-agressão.
Homem da rua
Assina teu testamento.
Quando os de cima falam de paz
A gente pequena
Sabe que haverá guerra.
Quando os de cima amaldiçoam a guerra
As ordens de alistamento já estão preenchidas.”
“1
De que serve a bondade
Quando os bondosos são logo abatidos, ou são abatidos
Aqueles para quem foram bondosos?
De que serve a liberdade
Quando os livres têm que viver entre os não-livres?
De que serve a razão
Quando só a sem-razão arranja a comida de que cada um precisa?
2
Em vez de serdes só bondosos, esforçai-vos
Por criar uma situação que torne possível a bondade, e melhor,
A faça supérflua!
Em vez de serdes só livres, esforçai-vos
Por criar uma situação que a todos liberte
E também o amor da liberdade
Faça supérfluo!
Em vez de serdes só razoáveis, esforçai-vos
Por criar uma situação que faça da sem-razão dos indivíduos
Um mau negócio!”
Por fim, dizer que o ato de ontem em Brasília fortaleceu o governo é uma afirmação que carece de nexo.
O CACH esteve presente ontem, ocupou Brasília e seguirá lutando junto à juventude, aos trabalhadores, centrais sindicais e movimentos sociais pela manutenção dos nossos direitos. Reivindicamos o chamado de uma nova greve geral, para derrubar Temer e suas reformas!

Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook:
https://www.facebook.com/groups/prophisto/ 

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Ação desastrada na cracolândia pode ser usada pela mídia para derrubar Temer.


Tem ficado evidente que a grande mídia tem realizado sua parte em balançar a mesa e ajudar a derrubar o atual presidente da República. Provavelmente, a baixa popularidade de Michel Temer vem se tornando um entrave às reformas que o mercado exige a implementação. Os baixos índices dão novo fôlego à oposição deposta a um ano atrás. E, também, com o passar do tempo vai jogando maior número de pessoas em movimentos contra o governo e isso acaba passando para as reformas trabalhista e previdenciária. Por isso, para a elite financeira seria oportuna a mudança da figura sentada na cadeira presidencial.

A maioria dos brasileiros é pouco politizada e se guia pela simpatia ou antipatia em relação às figuras políticas. Veja que isto não se aplica tão somente ao povo menos letrado. Em regra, acabam sendo contra o governo apenas por antipatizar com a pessoa. Se colocarem uma figura que goze de ampla simpatia popular, as pessoas não se mobilizarão nem que seja proposto para o trabalhador uma jornada de 24 horas por dia, sem ir ao banheiro e dormindo de pé !

Os analistas midiáticos são quase que uníssonos ao asseverar que o PSDB é o atual fiel da balança do governo Temer. Enquanto o tucanato continuar na base do governo há uma sobrevida para Temer.

Por isso, veio bem a calhar para a mídia a desastrosa operação feita pela prefeitura de São Paulo na conhecida cracolândia. Quando houve mortes na derrubada de um prédio que abrigava  moradores de rua e dependentes químicos. Ocorre que o PSDB é um partido em decadência. Seus principais caciques políticos se encontram mau avaliados perante a população. O senador mineiro que era presidente do partido foi afastado do senado por conta de denúncias de corrupção com materialidade probatória. O atual prefeito de São Paulo, que adota discurso que visa surfar na onda ultra conservadora, tem sido a principal aposta do partido para futuras eleições.

Se a grande imprensa aproveitar este incidente para centrar fogo no melhor candidato do PSDB, poderá significar um futuro de terra arrasada para o partido. E o que se observa é que a imprensa não tem aliviado nos noticiários, ao contrário do que ocorre de costume em relação aos políticos do círculo tucano. Isto poderá valer o afastamento dos tucanos da base de Temer para salvar o partido das baterias jornalísticas. 


Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook:
https://www.facebook.com/groups/prophisto/ 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

De Villa a Karnal: como deve se posicionar o historiador no âmbito político.





Nesta semana houve um debate na rádio jovem pan entre o historiador Marco Antonio Villa e o deputado Jair Bolsonaro. Villa é historiador e mestre em sociologia pela USP. Deixa bem claro seu posicionamento político de viés liberal. Fez papel nos meios jornalísticos de antipetista implacável durante os 13 anos de governo do Partido dos Trabalhadores no plano federal e das administrações petistas na prefeitura de São Paulo. Sempre deixou claro seu alinhamento com o PSDB. Enquanto que Jair Messias Bolsonaro é deputado que se apresenta como símbolo da extrema direita na câmara.

Após o debate, em que o professor Villa se opôs ao deputado, os admiradores de Bolsonaro questionaram a coerência de Villa. Pois quando o inimigo da vez era a esquerda no governo federal, ele teria adotado uma postura de relativizar o período ditatorial. Que só poderia se falar de uma ditadura mais truculenta após a edição do AI-5 e que da mesma forma não se deveria considerar um regime autoritário após a lei da anistia. Desta forma, desqualificando a história de enfrentamento que as lideranças de esquerda protagonizaram contra os militares. Estas questões podem ser lidas na obra "Ditadura à brasileira", onde Villa faz uma abordagem sobre este recorte histórico. Contudo, agora que o inimigo da vez para a direita liberal passou a ser o candidato conservador da extrema direita, endureceu o discurso a respeito da ditadura militar para encurralar Bolsonaro, que defende os militares no poder.

 Outro historiador midiático da contemporaneidade é o professor Leandro Karnal, que é titular da cadeira de história da América na Unicamp. Ao contrário de Villa, o professor Karnal tem pautado suas falas por se esforçar para demonstrar uma neutralidade no espectro político. Por isso, se colocou reiteradas vezes como alguém de centro. Embora, num ato falho deixou publicar uma foto festiva ao lado do Juiz Sérgio Moro, que de certa forma é um dos ícones e símbolos adotados pelo conservadorismo no Brasil. Esse deslize acabou custando muita popularidade. Pois suas posições progressistas no que tange os temas comportamentais traziam a antipatia da direita conservadora. E, agora, com  foto ao lado do amigo juiz causou estragos entre os potenciais admiradores no campo da esquerda.

Na disciplina de prática de pesquisa científica aprendemos que o pesquisador deve guardar neutralidade no exame das fontes, formulação das questões e respectivas teorias interpretativas.  Porém, a sociologia comprova que não existe essa situação ideal de neutralidade absoluta. Todavia, o historiador deve buscar mecanismos para atingir uma neutralidade aproximada. Mas esta neutralidade que se fala na prática da pesquisa se relaciona tão somente ao processo de pesquisa propriamente dito. Não significa que o autor das dissertações ou teses tenha que se abster de defender um lado nos diversos contextos históricos estudados ou não ter postura política nas questões nacionais e internacionais do momento atual.

Afinal, de que adiantaria anos de estudos do comportamento histórico das sociedades se não gerar posicionamentos frente às grandes questões da atualidade. Acabaria sendo uma ciência estéril. O que não pode é manipular os dados das pesquisas históricas segundo a conjuntura apresentada pelo momento. O historiador pode e deve se posicionar, mas suas posições precisam guardar coerência com sua produção autoral. E mesmo o professor em sala de aula não deve fazer discurso panfletário, mas é bom que dê ciência aos alunos do seu lugar de fala.

E não adianta nos ocultarmos da política, pois mais cedo ou mais tarde ela irá cobrar um posicionamento.

Participe do grupo "prophisto" história geral & Brasil no facebook:
https://www.facebook.com/groups/prophisto/

terça-feira, 23 de maio de 2017

A coautoria fantasma e o clientelismo na universidade.






Dentre as muitas crises instaladas atualmente no Brasil, uma delas é a crise da renovação de referências intelectuais nos mais diversos ramos do conhecimento. Isto acontece notadamente na área das ciências humanas.

Temos sentido muito a perda de nomes como Darcy Ribeiro, Antônio Cândido, Caio Mário da Silva Pereira, Celso Furtado, Sérgio Buarque de Holanda, entre tantos outros que se foram nas últimas décadas. E as atuais referências de grandes pensadores sobre o Brasil e a nossa época estão circunspectas a alguns nomes midiáticos da academia. Não queremos desmerecer a atividades de tais professores que mereceram a janela da grande mídia. Contudo, será que esta preferência midiática é fundada em obras acadêmicas que realmente sustentam inovadoras construções interpretativas? Ou se baseia tão somente numa oratória de fácil digestão pelo grande público?

Curiosamente, hoje, perdemos referências intelectuais na mesma proporção em que crescem exponencialmente o número de artigos científicos, dissertações e teses guardadas nos bancos e arquivos acadêmicos.

Uma das tentativas de se explicar este fenômeno reside na própria formatação atual da carreira acadêmica que leva a uma aguda especialização dos pesquisadores. Quanto mais se exige esta super especialização, menor é o poder de visão global do estudante. Assim, ficamos naquele impasse entre a graduação, que significa saber pouco sobre diversos temas, e a especialização, que é saber muito sobre poucas coisas. E do jeito que segue, muito brevemente os especialistas saberão muito sobre quase nada! Provavelmente, temos que chegar a um meio termo nesta equação.

Outro problema é a sobreposição que o mercado teve em relação à vida acadêmica nas últimas décadas. Por algum tempo a academia lutou para ser um ambiente autônomo em relação aos sabores do mercado. E ainda luta hoje em dia. Contudo, as exigências do mercado foram penetrando e alterando as relações acadêmicas. Um exemplo claro é  o setor de pesquisa super inchado de alunos a partir do momento que o mercado passou a exigir cada vez um leque maior de atividades de pós graduação para garantir chance de empregabilidade. Desta forma, houve uma grande corrida para os cursos de pós graduação. A pesquisa não era mais o fim  em si mesmo, mas a obtenção do título. A publicação de artigos deixou de ser a mera consequência do resultado de um trabalho de anos de pesquisas para ser um imperativo para os estudantes e pesquisadores. Quanto maior o número de referências a artigos acadêmico publicados, melhor para o currículo Lattes. Neste sentido, a filósofa Marilena Chauí, ao criticar este modelo, disse com propriedade que "a vida não cabe no Lattes".

Desta conjuntura surgem fenômenos como a chamada coautoria fantasma. Que não se trata de ocorrência de atividade  paranormal nos centros de pesquisa, mas da manifestação do 'jeitinho acadêmico" para rechear o currículo. Trata-se de uma troca de favores entre mestrandos e doutorandos e, também, pode acontecer entre estes e seus orientadores. Que é o caso de colocar como coautor uma pessoa que deu contribuição mínima, ou muitas vezes nenhuma,  para a conclusão do projeto ou artigo. É mais ou menos o trato de eu colocar o seu nome no meu artigo e você coloca o meu no seu. Assim, dobramos a inclusão de itens elencados no currículo. Como, também, pode ocorrer do orientador figurar na coautoria em artigos redigidos por mestrandos e doutorandos. Não se trata de que não possa haver artigos escritos a duas ou mais mãos. Contudo, a mera orientação prestada pelo professor não deveria ensejar referência autoral. E isto acaba gerando distorções no percurso da construção de uma dissertação ou tese. O orientador acaba cobrando um número de artigos exagerados ou acaba dando maior atenção àqueles pesquisadores que demonstram capacidade de maior produção  de artigos, ainda que nem sempre isso configure em qualidade dos escritos.

Por fim, tudo isto vai desaguar na instauração de relações clientelistas no ambiente acadêmico. O clientelismo se trata daquela troca de favores, principalmente quando há alguém ocupando uma posição de poder em relação a outros. Isso faz parte da cultura nacional. Muito se escreveu sobre o clientelismo praticado pelos "coronéis" do nordeste, que davam alguns pequenos benefícios aos lavradores em troca do "voto de cabresto". Aliás, trata-se de conduta muito corrente na política nacional. Na universidade, o clientelismo vai gerar relações desiguais entre os alunos e entre estes e professores.

Numa palestra sobre iniciação científica, no curso de graduação, ouvi da palestrante que era preciso que nós, estudantes, colássemos em um professor que faz uma pesquisa que nos interessa, para cavarmos uma futura participação. Foi algo que soou muito mal aos ouvidos. Pois essa cultura leva ao famoso "puxa-saquismo". E eu sempre detestei esse tipo de coisa. Contudo, esta estratégia acaba dando certo e se formam aqueles "curriolas" em torno de determinados professores. E muitos professores acabam gostando. Já entrou no dna da vida universitária.

O maias trágico é que a academia identificou a existência do clientelismo, conceituou e criticou. Porém, reproduziu o mesmo modelo relacional dentro de seus muros.

Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook:
https://www.facebook.com/groups/prophisto/