sábado, 7 de julho de 2018

Quem irá fazer o gol quando o melhor atacante é quem cobra o escanteio ?






Uma postagem nas redes sociais delimitou muito bem o dilema nacional. O que é perder uma copa para quem já perdeu a Embraer, a Vale, a CSN, o pré-sal, a base de Alcântara, os direitos trabalhistas, entre outros ?

De todas as perdas que o brasileiro sofreu e vem sofrendo, parece que a perda de bom senso e inteligência é a pior de todas. Tenho visto os novos ideais econômicos empurrar um bom número de idosos da classe média a deixarem seus planos de saúde por conta dos reajustes exorbitantes. É tudo pelo mercado e nada pelo social !

Até na seleção brasileira a falta de inteligência tem feito estragos incontornáveis!!!

Um deles, por exemplo, é colocar o nosso melhor finalizador e driblador lá na bandeirinha de corner na hora de cobrar o escanteio ! Qual a inteligência por detrás da ideia de se retirar da proximidade da área o nosso melhor atacante quando a bola será pingada nela? 

Alguém poderá dizer que o Neymar é franzino e não consegue disputar  a bola com os zagueiros. Mas e o pânico que o Neymar leva à zaga só pelo fato de estar dentro da área? Então, que deixe o Neymar numa espécie de sobra da bola disputada pelos grandalhões. Ele poderá finalizar a sobra de bola ou, ainda, realizar uma jogada dentro da área que leve ao pênalti !  Agora, colocar o melhor atacante para bater escanteio é algo que nunca vi na minha vida de meio século de torcedor tricolor. 

Não nos esqueçamos que até o Romário fez gol de cabeça em jogo de copa do mundo !!!

Participe do grupo "Prophisto" de História Geral & Brasil no facebook:



quarta-feira, 30 de maio de 2018

Os grandes hospitais privados e a desumanização na prática da medicina.


Há tempos que sabemos da crise de humanidade nos mais diversos setores de atendimento à sociedade. Porém, só quando passamos por uma situação dessas que conseguimos avaliar com profundidade o tamanho do buraco em que nos encontramos. A seguir, irei narrar fatos que vivenciei ao acompanhar o caso de um paciente em um grande hospital particular na cidade do Rio de Janeiro.

Primeiro, cabe um breve histórico médico para entender o desenrolar que seguiu. O paciente, que conta 84 anos de idade, começou a sentir inapetência e desconforto abdominal há cerca de dois meses. Procurou um gastro que pediu uma ultrassonografia abdominal total. A ultrassonografia sugeriu algum problema em um dos órgãos do aparelho digestório. Por isso, o médico solicitou novo exame mais sofisticado. Porém,. antes da realização deste exame houve uma piora no quadro e o paciente procurou um posto de atendimento de urgência mantido por seu plano de saúde. Foi feito um exame de sangue, mas o paciente também necessitava de uma tomografia. O tomógrafo do posto de atendimento estava quebrado e o paciente foi enviado para uma pequena clínica particular em bairro próximo. Nesta clínica, foi feita a tomografia e a médica que atendeu o caso solicitou a internação do mesmo. O paciente, no entanto, preferiu assinar um termo de responsabilidade e se retirou para posteriormente ir a um hospital maior e mais bem equipado que era conveniado ao seu plano de saúde e próximo à sua residência.

No início da tarde do dia seguinte o paciente se apresentou ao atendimento de emergência do citado grande hospital privado, que constava da rede credenciada ao seu plano de saúde e ficava próximo de sua casa.

Na emergência, o médico confirmou a necessidade de internação. O médico solicitou que os 3 exames, ainda que tivessem sido realizados no dia anterior, fossem repetidos neste hospital: exame de sangue, ultrassom e tomografia. Explicou que era necessário repetir os exames para fundamentar a internação naquele hospital. Achei um tanto estranha a alegação. Repetir três exames que haviam sido realizados uma dia atrás não me parecia um procedimento de interesse médico. Talvez, uma forma de receber maior repasse do plano de saúde. Porém, sequer discutimos sobre isso com o médico e aceitamos refazer os exames. Nessas horas, o importante é que a pessoa seja logo internada para dar início ao tratamento médico. Feitos os exames, o paciente foi levado para uma outra enfermaria onde aguardaria a internação deitado em uma maca. Fomos informados que ficaríamos aguardando ali até o quarto estar pronto.

Ocorre que as horas foram passando - tarde, noite e madrugada - e nada da internação ser efetivada. Num dado momento, fui orientado a procurar o departamento de internação para saber a respeito. Lá chegando, fui informado pela atendente que o hospital se encontrava lotado e sem previsão de haver a vacância de algum leito. Então, me informaram que provavelmente teriam que transferir o paciente para algum outro hospital. Uma notícia que não foi bem recebida por nós, que procuramos aquele hospital, justamente, por conta do seu nome, sua estrutura e sua proximidade em relação à residência do paciente e sua família. Neste momento, a atendente faz algumas colocações que funcionam como um verdadeiro terrorismo junto ao paciente e seus familiares. Disse que não havia vagas e dificilmente haveria alguma no dia que amanhecia. Disse que o plano de saúde não cobriria dois dias seguidos no setor de emergência e que se o paciente não aceitasse uma transferência para outro hospital, em qualquer outro lugar da cidade, teria que arcar do seu bolso com sua permanência na enfermaria da emergência.

Neste momento, fui tomado por um sentimento de indignação ao perceber que repetiram todos os exames e não se comprometiam com a internação. Ora, se não havia leitos disponíveis porque expuseram o paciente a mais cargas de raios-X desnecessariamente ?  Para mim, estava claro que havia uma forte fumaça de má-fé nisto tudo. O hospital se exime da má-fé dizendo que o setor de urgência e o de internação são diferentes. Assim, a emergência não sabia da falta de vagas. Contudo, é uma falta de comunicação e articulação entre departamentos que vem muito bem a calhar para o hospital ganhar dinheiro em cima de exames desnecessários sem se responsabilizar com o tratamento.

Durante este processo, uma moça da enfermagem que acompanhou o problema nos confidenciou algo ainda mais revoltante. Disse que o hospital é grande e sempre tem altas todos os dias. Que a questão da transferência é por conta dos reembolsos realizados pelos planos de saúde. Que o hospital dá preferência a internar clientes de determinados planos que pagam valores maiores e por isso seguram a vaga para estes, enquanto transferem os usuários dos outros planos, ainda que credenciados ao hospital. Ou seja, uma pessoa idosa com um problema que requer internação urgente não tem qualquer prioridade, nem mesmo uma outra pessoa com um problema muito sério; a prioridade é conforme o plano de saúde.

Para piorar, durante todas as longas horas que ficamos naquele lugar (somente fomos transferidos na manhã do dia seguinte), o paciente ficou deitado numa maca sem receber qualquer hidratação por soro ou água e nem qualquer alimentação. Ou seja, ganharam todo dinheiro que puderam com exames desnecessários e não pretendiam gastar nada no atendimento. Somente na madrugada, depois de já estar indignado com tudo, reclamei do tratamento dispensado e aí apareceram com soro e um potinho minúsculo com um tipo de geleia dentro sob pretexto que era alimentação.

Em suma, esses hospitais não merecem receber este nome, pois não passam de entrepostos comerciais que buscam se locupletar com o sofrimento alheio.

Participe do grupo "prophisto" de história geral & Brasil no facebook:
https://www.facebook.com/groups/prophisto/





terça-feira, 29 de maio de 2018

Os Nazistas que roubavam livros.





A sabedoria popular também se expressa, de forma sintética, através dos chamados ditos populares. Dentre eles, um dos mais famosos é aquele que estabelece que "ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão". Se este ditado possuísse valor jurídico, então, a personagem Liesel Meminger, protagonista do filme "a menina que roubava livros", estaria completamente perdoada pelos furtos de livros que cometia. Uma vez que as bibliotecas alemãs, durante o período nazista, foram abastecidas com milhares de livros roubados de bibliotecas particulares pertencentes a judeus, maçons e outros grupos perseguidos pelo regime.

EM CONSTRUÇÃO

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Uma imagem para a história !





O teólogo frei Leonardo Boff, sentado à frente do prédio da polícia federal de Curitiba, é proibido de visitar o presidente Lula, que é seu amigo pessoal de muitos anos. O prêmio nobel da paz Adolfo Pérez Esquivel também teve sua solicitação de visita negada pelo judiciário.

Neste momento, algumas perguntas ganham mais peso histórico:

Lula é um preso político ?

Lula é um preso do imperialismo norte-americano em terra brasileira ?

Esperamos que o distanciamento histórico possa dar uma resposta precisa aos acontecimentos que vivemos em nosso tempo.

Participe do grupo "prophisto" de história Geral & Brasil no facebook:




quinta-feira, 19 de abril de 2018

Eleições Gerais para a Magistratura ! Seria interessante acabar com a vitaliciedade dos cargos de juízes e desembargadores ?





O Poder Judiciário ganhou, nos últimos anos, papel central na política nacional. A judicialização da política é algo que vem sendo denunciado por diversos juristas de renome. Mas não apenas essa questão tem sido apontada como irregular. Há a questão da espetacularização dos processos, a seletividade judicial, os vazamentos de escutas para telejornais, dentre muitas outras supostas irregularidades processuais.

Desta forma, toma corpo a discussão sobre qual judiciário queremos no Brasil. As leis e os manuais de direito apontam um conjunto de regras processuais considerados dos mais modernos do universo jurídico. Porém, na prática muitos destes dispositivos vêm sendo relativizados para obter resultados políticos através da atividade judicial.

Nesta discussão, a forma como os cargos judiciários, notadamente dos órgãos colegiados superiores, são preenchidos se torna uma questão importante para a busca de um poder que represente todos os setores da sociedade.

O cargo de juiz é preenchido através de provas de concursos públicos. Posteriormente, dentro da carreira vão subindo de posto através do tempo na carreira e da indicação dos tribunais através de listas de nomes para preencher os postos de desembargadores ou ministros. Todos estes ganham, através da aprovação no concurso, a chamada estabilidade funcional e a vitaliciedade no cargo. É assim que ocorre o preenchimento das funções judiciárias no Brasil.

Outro modelo utilizado, por exemplo nos EUA, é a realização de eleições diretas gerais para os cargos dos órgãos superiores, quando o povo elege diretamente os magistrados que ocuparão os assentos naqueles tribunais. Neste caso, o magistrado fica no cargo por um determinado período de tempo, podendo se recandidatar posteriormente. O fundamento para eleições diretas na magistratura é o princípio de que todo poder emana do povo. Logo, a população seria a instância que deveria prover os cargos do Poder Judiciário, como ocorre com Legislativo e Executivo.

Confesso que sempre defendi a ideia do concurso público e dos princípios da vitaliciedade e estabilidade. Pois entendia que seriam condições para que o juiz pudesse ter tranquilidade para exercer o juízo com toda autonomia e isenção.

Porém, temos visto muitos magistrados perdendo a mão e promovendo diversas manifestações de cunho político, seja nos processos ou nas redes sociais. Ora, se o juiz deseja fazer política;  então, deveria ser eleito por um determinado período de tempo como qualquer membro dos poderes executivo e legislativo.

Outro problema que temos visto é que muitos magistrados, ao se manifestarem em redes sociais, demonstram um total distanciamento com as causas populares. Como foi o caso de uma desembargadora que, nas redes sociais, esteve divulgando boatos sobre a vereadora executada e, também, fazendo comentários ofensivos contra uma professora com síndrome de Down.

Desta forma, estou revendo os meus conceitos e mudando de opinião. Com a mentalidade temerária que vários de nossos julgadores vem demonstrando, melhor um modelo em que possamos trocar as figuras a cada mandato !

Participe do grupo "prophisto" de História Geral e Brasil no facebook:


terça-feira, 10 de abril de 2018

O suposto tapa de Ciro Gomes em youtuber. Até onde podemos ser constrangidos na rua? E a regulamentação de atividade de jornalista?



Está rolando um vídeo com o pré-candidato Ciro Gomes dando um tapinha na cabeça de um youtuber que aproveita a situação para criar um fato contra o candidato do PDT. Ocorre que o citado youtuber é de um conhecido canal conservador que usa da prática de fazer vídeos constrangendo, debochando, e sendo ostensivo contra pessoas que pensam de forma política diferente da dele.

Iremos deixar o link para o vídeo ao final do texto. Inclusive, com uma análise que conclui que o vídeo sofreu edição para dar a impressão que foi um tapa violento e não apenas um tapinha nas costas. Na análise, parece que o vídeo sofreu cortes entre uma posição da mão de Ciro e a outra em que a mão encosta na cabeça do youtuber. Assim, cortando o caminho do movimento da mão, fica parecendo que a mão chegou rapidamente à nuca, dando impressão de uma violência que não houve.

Deste fato já surgiram vários comentários na internet, em rádios, programas de televisão sobre a atitude do candidato. A atitude do youtuber é pouco debatida. Já ouvi dizer que o youtuber está na função dele. Que o Ciro é que teria de ter mais tranquilidade e etc.

Porém, entendo que a discussão deveria ser outra. O que é ou não é jornalismo ? Até onde uma pessoa que não é jornalista pode me filmar e me constranger para depois publicar em seu canal na internet?  Não sei se o citado youtuber também é jornalista! Porém, a forma como ele se comporta não é de jornalista. O jornalista, no trato dos entrevistados, é preciso demonstrar um mínimo de isenção. E esses caras não são isentos, a intenção deles é justamente constranger, tentar tirar uma reação de destempero e prejudicar a imagem de quem pensa de forma diversa. E mesmo as pessoas públicas têm direito à sua imagem. Ninguém deveria ter o poder de atacar outrem publicamente e depois postar o vídeo nas redes sociais.

Aliás, é preciso urgentemente voltar à discussão sobre a regulamentação da profissão de jornalista. Existe faculdade de jornalismo mas a profissão não é regulamentada. Assim, qualquer um de nós pode abrir um canal no youtube e se dizer jornalista. Talvez, as décadas de demora para se regulamentar a profissão seja para isso mesmo. Para que se possa usar politicamente essas pessoas que saem por aí com a função de constranger adversários políticos e, depois, se esconder sob o manto da proteção à atividade de jornalista.
A relativização da atividade de jornalista começou com programas como pânico e CQC, em que usavam "humoristas" para atuarem  como se fossem jornalistas, mas sem a observância dos princípios daquela atividade. O grande objetivo era constranger e fazer as pessoas se exaltarem. Agora, esses programas deram centenas de filhotes no youtube.

É urgente a regulamentação da atividade de jornalista. Mas será que há interesse ?

Vídeo de Ciro Gomes dando tapa:
https://www.youtube.com/watch?v=yZCdj7cjjws 

STF decide que não é necessário diploma para ser jornalista:
https://noticias.uol.com.br/cotidiano/2009/06/17/ult5772u4370.jhtm

Participe do grupo "prophisto" de História Geral & Brasil no facebook:
https://www.facebook.com/groups/prophisto/



sexta-feira, 6 de abril de 2018

Lula, cercado pelo povo, não é levado para o cárcere até as 17 horas e oportuniza uma lição de cidadania: todo poder emana do povo!





Uma presidente eleita pelo voto popular e honesta sofre impeachment sem ter cometido crime de responsabilidade. O STF legitima a situação. A Constituição chora !

A seletividade judicial, o ativismo do judiciário e a espetacularização do processo passa a ser denunciado por muitos juristas. A Constituição Chora !!

Judiciário promove escutas ilegais e vaza para a imprensa. A Constituição chora !!!

Juízes possuem casa própria em bairros nobres mas fazem greve por auxílio moradia. Os próprios juízes negarão este benefício a outras categorias. A constituição chora !!!!

Senadora estimula o uso de relhos - chicotes - contra adversários políticos. A Constituição chora !!!!!

Juristas apontam que os princípios do juiz natural e do devido processo legal estão sendo atropelados. A Constituição chora !!!!!!

Ministério Público promove ação com convicções e jejuns. A Constituição chora !!!!!!!

Generais mandam recado ao STF antes de julgamento. A Constituição treme e chora !!!!!!!!

A ministra pensa de uma forma mas vota de outra. A Constituição chora !!!!!!!!

Uma desembargadora espalha boatos sobre Marielle Franco nas redes sociais. A constituição chora !!!!!!!!!

Juiz atropela último recurso da defesa e manda que ex-presidente se recolha ao xadrez até às 17 horas. A constituição chora !!!!!!!!!!!

O ex-presidente vai passar suas últimas horas livre no lugar onde iniciou sua trajetória, o sindicato dos metalúrgicos do ABC. Milhares de populares cercam o prédio durante a noite e o dia. Passa 1,2,3... horas da data limite de 17 horas e a polícia federal, aquela do temido japonês, não aparece, dessa vez, para realizar a condução coercitiva. Dizem que o ex-presidente é um foragido. Não é. Eles esteve o tempo todo sob a mira das câmeras das redes de televisão que são braços poderosos dos interesses estrangeiros no país. A polícia não foi por conta da massa de povo nas ruas.

Ainda que involuntariamente, o atraso na apresentação do presidente mais popular, que tirou maior número de famílias da miséria, foi o primeiro evento, em todo esse processo, que nos fez lembrar de algo importante impresso na Constituição!

Diz a primeira oração escrita na CF/88: "Todo poder emana do povo!"

Somente quando o povo entender que tem de tomar para si a sua própria história e destino, será verdadeiramente livre!

Finalmente, a Constituição sorriu !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Participe do grupo "prophisto" de História Geral & Brasil no facebook:
https://www.facebook.com/groups/prophisto/